, ,

Tática de chantagem inviabiliza acordo com Eduardo Cunha, dizem investigadores

No MPF, delação de um dos principais operadores do PMDB da Câmara, grupo de origem de Michel Temer, não é descartada, mas deputado cassado teria de passar a se comportar como preso condenado.


Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Apesar do clima de animosidade entre o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, a força-tarefa do Ministério Público Federal não descarta uma delação premiada do deputado cassado.

O problema, dizem estes procuradores, é que Cunha tem se comportado na cadeia tal como fez nos seus anos de política, usando chantagens e ameaças para alcançar seus objetivos.

Um dos exemplos é o da carta que fez de próprio punho desmentindo Michel Temer e dizendo foi o presidente, e não ele, que convocou a reunião onde teria sido selada uma ‘ajuda’ de US$ 40 milhões para o PMDB em troca da liberação de contratos na Petrobras para a Odebrecht.

Na carta, escreve ainda que submeteu o parecer do impeachment previamente para Temer, que concordou com os termos.

Outro caso foi o das perguntas que fez através de um processo judicial para Temer, citando de maneira indireta a entrega de recursos no escritório do amigo e ex-assessor especial do presidente José Yunes.

À época, o juiz Sérgio Moro indeferiu parte dos questionamentos justamente por entender que Cunha estava usando um processo judicial para intimidar e chantagear autoridades.

Este tipo de comportamento tem incomodado o Ministério Público Federal. Na visão de alguns procuradores, para que um acordo fosse possível, Cunha teria de encarar a realidade de frente.

Ou seja, o primeiro passo para a negociação, segundo os investigadores ouvidos pelo BuzzFeed Brasil, Cunha precisa passar a se comportar como um preso condenado e não pode ficar mandando recados para chantagear seus antigos aliados.

Apesar de boa parte dos supostos esquemas de corrupção já terem sido esclarecidos com as delações da Lava Jato, Cunha poderia entregar as entranhas do PMDB, o processo de impeachment e até mesmo fatos ocorridos com Temer já na cadeira de presidente da República, o que abriria espaço para que ele fosse formalmente investigado.

Na situação atual, as suspeitas contra Temer não avançaram no STF pois Rodrigo Janot só encontrou fatos anteriores a ele assumir a presidência da República, o que lhe dá uma imunidade temporária.

Os advogados de Cunha, Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, no entanto, dizem que a estratégia de defesa do ex-presidente da Câmara segue inalterada e não prevê a possibilidade de uma delação premiada.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

What do you think?

350 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

11 Comments

Leave a Reply
  1. Quisque lacinia lobortis lorem, id malesuada ligula finibus sed. Nulla ut nisl dui. Vestibulum sapien eros, finibus a nunc at, pellentesque efficitur dolor. Mauris eleifend mattis purus, ac tincidunt felis bibendum ac. Suspendisse non volutpat lorem. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos.

  2. Non enim turpis. Suspendisse porttitor tortor ultrices, mattis ante sit amet, sagittis metus. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Donec eu mollis felis, a maximus augue. Phasellus mi dui, tincidunt id venenatis vel, luctus quis lorem. Curabitur a ante non leo eleifend pretium. Vivamus efficitur ex varius dignissim imperdiet.

    • Non enim turpis. Suspendisse porttitor tortor ultrices, mattis ante sit amet, sagittis metus. Class aptent taciti sociosqu ad litora torquent per conubia nostra, per inceptos himenaeos. Donec eu mollis felis, a maximus augue. Phasellus mi dui, tincidunt id venenatis vel, luctus quis lorem. Curabitur a ante non leo eleifend pretium. Vivamus efficitur ex varius dignissim imperdiet.

Deixar uma resposta